casos · coisas da vida · Não esqueci e nem vou esquecer · Uncategorized

Sobe o número de histórias da periferia

Resolvi contribuir com o aumento do número de histórias de homens e mulheres que vivem na periferia. Você está na minha quebradaaa, sim senhor! Jardim Pantanal, São Paulo, dia 06 de julho de 2016. Por favor, meu senhor, senta que lá vem chumbo grosso! E mãos ao alto! Desarme-se cidadão de bem, desse seu discurso de que” é vitimismo!” Olha lá que essa sua “arma tão carregada de ideologias” é perigosa! Desarme-se!!!

Essa é mais uma que nasceu para lutar. Foi criada e educada na simplicidade, casa CHEIA! Cheia de irmãos e problemas! Bairro EXCELENTE! excelente para se ver violência e repórter do calibre do Gil Gomes fazendo reportagem de chacinas diárias. Educação TOP! Top em defasagem! Isso aí é apenas um aperitivo da sua infância.

Não dá para explicar essa sede que a galera da periferia têm! Não é sede de água, até porque em dias de enchentes a gente é forçado ( É… a gente é! Nao vou escrever nós somos porque é nois que vive os perrengues!) a aprender a “nadar” sem querer! Digo SEDE de vencer! SEDE de mudar o mundo e a visão daqueles que insistem em nos manter à margem da sociedade e dos principais centros da cidade, SEDE de realizar sonhos! É dessa SEDE que me refiro!

Essa é mais uma daquelas mulheres que teve que aprender a se impor diante dos colegas, para não ser constantemente humilhada por conta da cor da sua pele, ou em razão, das roupas simples que vestia. ROUPAS estas que conseguiu à base de trabalho! Fazia uma faxina aqui, olhava o filho de uma vizinha ali. É, porque desde pequena teve que aprender a se virar, já que seus pais se separaram e não havia dinheiro suficiente para vestir os 6 irmãos. Dinheiro?! A senhora sua mãe que decida, ou vocês COMEM ou vocês VESTEM!? Vamos morrer de fome, não! Então, o dinheiro da “ajuda” do senhor seu pai, pedreiro, irá para a COMIDA! Comida? Havia dias que o café, o almoço e janta era farinha com água e ovo ( o pirão, dizia minha mãe. Lembro de vê – la chorar algumas vezes por conta desse pirão!). Lembro perfeitamente que comia e nada daquilo sustentava, fazer o quê? Come! Come logo porque é o que têm pra hoje, para amanhã e foi assim por alguns tempos ou dias!

Cara, só o que essa menina queria era sobreviver para crescer, estudar, ser uma profissional respeitada e reconhecida. Ela se perguntou… Como faço para chegar lá, no futuro, e ver essas coisas acontecerem? Já sei, SONHOS!!! Ela se armou de SONHOS. Sonho de fazer um curso de idiomas, sonho de fazer faculdade ( Pode zoar! Não é fazer curso superior, não. É fazer faculdade mesmo! Para um bom entendedor no tocante as variações linguísticas, meia palavra basta! Dá pra entender!), sonho de arrumar emprego para pagar a faculdade, sonhos e mais SONHOS…

Pulando a parte dos traumas, desilusões e decepções, afinal, a vida é repleta disso! Pulando a parte que meus irmãos apesar de toda dificuldade, conseguiram conquistar cada um seu espaço sem ter nada que os desabone!

O sonho de fazer um curso de idioma ela parcialmente realizou, estudou espanhol de graça por dois anos. O sonho de arrumar um emprego com registro em carteira também teve seu dia! Foi aprendiz, atendente de call center, auxiliar de balanço e auxiliar de vendas. Acontece que ela queria mais… daí, ela através do sonho de fazer faculdade, estudou, fez ENEM e conseguiu bolsa de 50% de desconto pelo prouni. Ainda teria que pagar os outros 50% por conta, continuou na luta. Trabalhando como atendente de call center, pagou a outra metade e concluiu o curso “superior em gestão de recursos humanos” ! Esse curso não foi suficiente para lhe abrir portas, então, ela continuou sonhando… Dessa vez, o sonho era entrar em uma faculdade pública! Mina ousada! Ousada, não! Sonhadora!

Ela desistiu de tudo por um ano para se dedicar aos estudos. Passou 3 ou 4 meses em cursinho popular gratuito ( viva a fase do EMANCIPA!). Daí, corta pra mim! Daí, um imprevisto aconteceu…perdeu seu bilhete único com o dinheiro da passagem do mês todo, que serviria para pagar a condução para chegar ao cursinho duas horas e meia distante da sua casa. DESISTIU!!! DESISTIU de ir para o cursinho para estudar em casa sozinha, dia e noite! Sem participar de festas, churrascos ou dias santos. Sem ver o mundo lá fora, estudar sonhadora! Estudou 7 ou 8 meses por conta, prestou vestibular e entrou na USP!!! COMEMORAÇÃO!

Mais já não foi dito várias vezes que essa menina vive de SONHOS!? Não é sorte, é sonhos!!! Agora, ela quer se formar logo, SONHA em fazer intercâmbio para a AUSTRÁLIA, SONHA também em se tornar uma grande profissional, SONHA em inspirar pessoas, AJUDAR pessoas…

Ela continua sonhando porque sabe que foi através dos sonhos que ela chegou onde chegou! I HAVE A DREAM (EU TENHO UM SONHO)… Que mais homens e mulheres das periferias CONTINUEM SONHANDO, pois tenho certeza que nossa realidade vai mudar! Vamos sonhar periferia! Porque o nosso SONHO é por LIBERDADE e IGUALDADE. Meus sonhos, minha base!

Anúncios

Um comentário em “Sobe o número de histórias da periferia

O que achou? Se gostou, compartilha.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s