coisas da vida · Mundo

Mundo

 

iphone_35

Eu quis ser como todo mundo mais todo mundo já era tudo, menos o que queria ser. Queria ser como todo mundo porque acreditava que viveria melhor, não, me enganei porquanto todo mundo tem sufocado o choro, seu próprio e o dos outros. Não quero ser igual a todo mundo, não quero sufocar o choro. Todo mundo se sufoca para continuar mantendo…  Aparência… não me encaixo nesse quebra cabeça de todo, alguma parte de mim quer estar fora de tudo, do mundo… no fundo em qualquer lugar onde se viva melhor, onde se tenha como vizinho um sr. Raimundo.

Um sr. que atenda pelo nome de Raimundo! com endereço, identidade e outras histórias para contar. Cadê você Raimundo? … no mundo…mundo… mundo…

Prestei atenção as coisas do mundo, as pessoas e as suas ações… por achar que tinha algo errado comigo, por achar que todos estavam certos e… eu só no mundo continuei… Todos os dias me esforcei para ser como todo mundo.

No dia em que comecei a falar aquilo que todo mundo sentia, ninguém deu ouvidos, ninguém prestava atenção e assim todos fugiam. Foi triste! Foi desesperador porque queria que todos olhassem a suprema falta… comentário sobre o que nos falta.  Ninguém liga! Pouca importa se alguém irá se jogar de uma ponte. A única objeção é que não se cometa esse despautério quando estiverem assistindo aos programas de televisão ou ao final da novela.

SOCORRO! Eco…Eco…Eco…

Estão em casa ou na rua assistindo…

 O mundo implora por socorro porque as pessoas são como o nada, nada a declarar ou demonstrar. Naquele dia em que o poeta morreu, resolveram abrir a boca e falar: “coitado, era um bom homem!”. Era não, é! Diga mundo. Diga o quanto antes as pessoas o que elas precisam ouvir. Todo mundo precisa saber.

Não poderia ter medo ou vergonha de dizer ora, diariamente, amigos (poderiam vir a ser) poetas se vão e quem fica são os covardes, os anormais. Gente de coração é que vai…

São loucos todos os que gritam o quão cinza está esse mundo de gente, só gente… Gente demais eu vejo mas não tenho um vizinho ou amigo chamado Raimundo que me ensine e conte suas histórias, suas loucuras.

No fim do mundo, tenho a esperança de rever os poetas loucos. 

 

Anúncios

O que achou? Se gostou, compartilha.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s